Header Ads

Açudes do Ceará devem receber 5,2 milhões de alevinos até fevereiro de 2021

Açude Tucunduba em Senador Sá - Foto/NS
 

Até fevereiro de 2021, durante a quadra chuvosa no Ceará, cerca mil açudes de pequeno e médio portes devem receber 5,2 milhões de alevinos, peixes recém saídos do ovo. O projeto começou em outubro passado e visa beneficiar 60 mil famílias que moram no entorno das barragens públicas e comunitárias.

O projeto de peixamento dos reservatórios é estratégico para a segurança alimentar de famílias de baixa renda e agricultores de base familiar no entorno dos açudes no sertão cearense.

O ciclo de produção do pescado é em torno de seis meses e o programa aproveita a recarga das barragens com as chuvas para favorecer o crescimento dos peixes. Para a pesca, os peixes precisam atingir o peso mínimo de 500 gramas.

A ação é da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) e nesta semana chegou a 11 cidades, com o povoamento de 550 mil alevinos em Poranga, Ipu, Viçosa do Ceará, Granjeiro, Sobral, Meruoca, Quixeramobim, Redenção, Reriutaba, Quixadá e Capistrano.

Segurança alimentar

O secretário-executivo de Pesca e Aquicultura, da SDA, Antônio Nei de Sousa, frisou que a ação é uma política pública de segurança alimentar. “Mesmo com despesas extras com a pandemia, por parte do governo estadual, há o compromisso da pasta em oferecer alternativa alimentar para as famílias de baixa renda”, pontuou. “Esse programa vai continuar ocorrendo a cada ano”.  

A meta do projeto é entregar no total 5,22 milhões de alevinos de tilápia, carpa, piau, curimatã e sardinha de água doce. O investimento é de R$ 538 mil e existe a expectativa da geração de 1,1 toneladas de peixe por ano.

Prefeituras, associações, sindicatos e colônias de pescadores que quiserem aderir ao programa podem solicitar o Programa de Peixamento à SDA.

Na localidade de Santo Antônio, na zona rural de Cedro, um dos açudes recebeu alevinos há dois meses e o agricultor familiar Francisco Bezerra espera boas chuvas “para o açude encher, o peixe crescer e a pesca ser boa para todo mundo a partir de maio do ano novo”.  

O veterinário e especialista em pesca, Paulo Landim, frisou que “é uma boa estratégia o peixamento dos açudes públicos e comunitários para a cada ano ter oferta de um alimento saudável na mesa do agricultor familiar”. Ele defende o uso múltiplo dos reservatórios para cumprir um papel social e econômico: irrigação, fornecimento de água para o consumo humano e animais, além da produção da pesca extensiva e intensiva (gaiolas). 

Diário do Nordeste

Nenhum comentário

Atenção!
Ao comentar, escolha as palavras corretas para que seu comentário atinja seu objetivo, expor sua opinião sobre determinado assunto.
Os comentários passaram por moderação da redação e serão publicados, independente do seu conteúdo, caso o comentarista tenha uma identificação válida!
Obrigado por comentar!

Tecnologia do Blogger.