Business

Camilo anuncia início gradual da reabertura da economia a partir de segunda-feira, 1 de Junho.



    O governo do Estado deverá apresentar a versão final do plano de retomada da atividade no Ceará ainda nesta terça-feira (26) à noite aos representantes dos setores econômicos. Segundo o secretário de desenvolvimento econômico e trabalho do Estado, Maia Júnior, o projeto deverá ser anunciado na manhã da próxima quarta-feira (27) pelo governador Camilo Santana. 

  "Vamos apresentar a versão final ainda hoje, às 19h, para os representantes da economia para que possam analisar e fazer alguma consideração. Se tudo for aprovado, o governador deverá apresentar amanhã pela manhã", disse Maia. 

A afirmação foi dada durante uma transmissão ao vivo realizada pelo Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará. 

Apesar do decreto de isolamento social, Maia Júnior afirmou que 75% da economia do Estado – considerando o valor adicionado bruto – está operando normalmente durante a pandemia. Considerando todos os serviços essenciais, isso representaria 60% do empregos ativos no Estado.

"Temos hoje 75% da economia e 60% dos empregos operando normalmente. E boa parte desses 75% são serviços essenciais. Estamos planejando agora para reabrir os 25% da economia e os 40% dos empregos que estão parados", afirmou Maia. 

PROFISSIONAIS LIBERAIS

Sobre os profissionais liberais, o titular da SDE disse apenas que o plano de retomada contempla de forma favorável o setor. Ele não detalhou em qual das etapas de liberação do plano de reabertura a categoria será incluída, mas disse que os profissionais podem ir "esquentando os tamborins". 

O plano de retomada do Governo do Estado deverá ser baseado em até 4 fases e durar pelo menos 56 dias, com 14 dias por etapa. 

A data de início, no entanto, deverá ser baseado nos índices de saúde, considerando possíveis reduções ou estabilização das taxas de contaminação, internações e óbitos causados pelo novo coronavírus. Entre cada fase, os índices serão monitorados pelos especialistas da área da saúde.

Setores na expectativa de reabrir

Na semana passada, setores do mercado receberam uma lista prévia do governo, dentro de um estudo inicial de reabertura. O plano deveria passar ainda por modificações.

Por esse estudo inicial, os primeiros setores a reabrir seriam:

- Preparação, fabricação, e comercialização de artigos de couro e calçados;

- Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica;

- Saneamento básico e reciclagem;

- Fabricação, confecção e comercialização de produtos têxteis e roupas;

- Indústria metalmecânica, química e correlatos;

- Agropecuária;

- Construção civil;

- Setor de serviços de apoio às empresas e famílias e artigos para o lar;

- Cadeia moveleira;

- Tecnologia da informação e comunicação;

- Publicidade, editoração e imprensa.

Por esse estudo prévio, entre uma etapa e outra, será dado um intervalo de 14 dias para o monitoramento da situação. Toda as atividades flexibilizadas teriam protocolos de segurança.

Critérios usados para definir a ordem de retorno dos setores econômicos, também no estudo prévio:

1. Baseado em riscos sanitários

Primeira fase = Baixo risco

Quarta fase = Alto risco

2. Baseado em aspectos econômicos e sociais

Primeira fase = Alto impacto

Segunda fase = Baixo impacto

COFRES PÚBLICOS 

Maia ainda destacou que crise causada pela pandemia afetou consideravelmente a situação dos cofres públicos do Estado. Segundo ele, a arrecadação do Estado, em abril, apresentou uma queda real de quase 28% em relação a igual período do ano passado. 

Além disso, a expectativa é que a situação em maio indique uma queda ainda maior. 

"Não estamos nos endividando como o governo central, até porque não podemos fazer isso. Então não temos dívida, mas temos uma queda de receita. Em março, a queda foi de 1% na arrecadação própria do Estado. Em abril, do ponto de vista real, foi de quase 28%. E maio ainda estamos acompanhando, mas pode ficar pior que abril", disse Maia.


Fonte: O povo - DN

Postar um comentário

0 Comentários