Business

Governador Camilo Santana prorroga por mais sete dias todas as medidas decretadas no último dia 19 de Março

GOVERNO PRORROGA QUARENTENA 

Para tentar frear a transmissão da doença, dentre outras medidas, o governador emitiu um decreto no dia 19 de março restringindo a abertura de espaços como bares, comércios, igrejas e escolas e autorizando somente a manutenção dos serviços essenciais como farmácias, supermercados e hospitais. Neste sábado (28), ele prorrogou o Decreto por mais uma semana, até o dia 5 de abril. 
"O atual decreto vale até amanhã à meia-noite e eu, após todas essas reuniões, ouvindo, sei que é importante a preocupação do setor produtivo com a economia, negócios, essa preocupação é nossa também mas nesse momento o que deve prevalecer, e não tenho dúvida que estou tomando a decisão que considero mais correta nesse momento, é proteger o cearense", explicou Camilo Santana. 
Além disso, o Estado segue recomendando o isolamento social como forma de barrar a transmissão do novo coronavírus que vem apresentando, apesar das variações, uma curva de contaminação muito alta, com muitos casos confirmados em um curto intervalo de tempo no Ceará. 
Devem fechar: 
  • bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres 
  • templos, igrejas e demais instituições religiosas; 
  • museus, cinemas e outros equipamentos culturais, público e privado; 
  • academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares; 
  • lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada; 
  • “shopping center”, galeria/centro comercial e estabelecimentos congêneres, salvo quanto a supermercados, farmácias e locais que prestem serviços de saúde no interior dos referidos dos estabelecimentos; 
  • feiras e exposições; 
  • indústrias, excetuadas as dos ramos farmacêutico, alimentício, de bebidas, produtos hospitalares ou laboratoriais, obras públicas, alto forno, gás, energia, água, mineral, produtos de limpeza e higiene pessoal, bem como respectivos fornecedores e distribuidores. 
Não devem fechar: 
  • órgãos de imprensa e meios de comunicação e telecomunicação em geral 
  • serviços de call center 
  • estabelecimentos médicos, odontológicos para serviços de emergência, hospitalares, laboratórios de análises clínicas, farmacêuticos, psicológicos  
  • clínicas de fisioterapia e de vacinação 
  • distribuidoras e revendedoras de água e gás 
  • distribuidores de energia elétrica 
  • serviços de telecomunicações 
  • segurança privada 
  • postos de combustíveis 
  • funerárias 
  • estabelecimentos bancários 
  • lotéricas 
  • padarias 
  • clínicas veterinárias 
  • lojas de produtos para animais 
  • lavanderias 
  • supermercados/congêneres 

Postar um comentário

0 Comentários