Amantes de construções históricas visitam a famosa "Casa do Cão" em Senador Sá. Confira!


   O historiador Célio Cavalcante e o Dr. Odorico Morais amantes da história visitam a "Casa de Cão", uma construção histórica de pedra existente em Senador Sá. Em 2016 os históriadores Bertone Vasconcelos Diogo de Alcantaras e Ronald Tavares de Aquiraz também estiveram visitando o local (Reveja) para colher informações no estudo acadêmicos que estavam pesquisando as construções que envolviam o translado entre Sobral e o porto de Camocim, antes mesmo da estrada de ferro que acabou gerando cidades como Senador Sá, Uruoca, Martinopole e etc. 

   O local é uma construção feita a base de pedra seca comum nos séculos passados, e supõe-se que seja de origem portuguesa ou francesa, tendo em vista o tipo de engenharia e a localização estratégica e próximo a um olho d'água que ainda hoje existe e é útilizado nos tempos de seca pela população. 

Confira a publicação do sr. Odirico Morais, em sua rede social:

"CASA DE PEDRA OU CASA DO CÃO, RUÍNAS DE UMA FORTALEZA DE ORIGEM DESCONHECIDA EM PLENO SERTÃO DO CEARÁ.

  Há aproximadamente 2 anos, quando iniciei as postagens de sítios arqueológicos no Facebook, recebi um comentário de um jovem, residente na cidade de Senador Sá, na zona Norte do estado do Ceará, referindo a existência de um local onde havia ruínas de uma construção bastante peculiar chamada Casa de Pedra ou Casa do Cão. Desde então, fiquei interessado em conhece-la até que surgiu a oportunidade na minha primeira expedição de 2020. Infelizmente, não localizei a postagem para identificar o nome desse rapaz para agradece-lo por ter me dado o privilégio de ter conhecido algo tão interessante e sui generis.
Poucas coisas simbolizam tão bem um povo e uma cultura quanto sua arquitetura. Por meio dela, por exemplo, é possível entender o estilo de vida, as dificuldades, as tecnologias, as crenças e as condições em que viviam os nossos mais remotos ancestrais e, por meio dessa herança, entender um pouco mais sobre nós mesmos. Foi usada nessa edificação um dos processos mais antigos e complexos, chamado de construção em pedra seca. Muito usada em muros de fortalezas, essa técnica consiste em encaixar pedras de diferentes formatos e tamanhos sem a necessidade de argamassa ou cimento, muito embora, tenhamos constatados a presença de barro batido no interior das paredes que têm em média 80 cm, mas algumas chegam a quase um metro e foram construídas sobre sólidos alicerces. Identificamos bem dois compartimentos ligados entre si por uma porta larga de aproximadamente dois metros de largura.
     Reza a lenda que nos foi contada por dois guias da região que a Casa de Pedra teria sido construída pelos portugueses usando a mão de obra de escravos negros e índios escravisados. Outra hipótese é a de que tenha sido edificada pelos franceses quando foram expulsos do Maranhão, na tentativa de se protegerem dos ataques dos portugueses. Existe também uma crença de que a casa teria sido construída pela diabo para albergar os seus escolhidos antes de leva-los definitivamente para o inferno. Na verdade, várias lendas envolvem essa construção extraordinária, entretanto, somente teremos a certeza da sua origem e dos seus construtores quando forem feitas escavações no local e estudos mais aprofundados por arqueólogos e historiadores.
No meu ponto de vista, não existe dúvida de que se trata de uma fortificação estrategicamente situada na encosta de um serrote, aproveitando uma proteção natural de pedra em forma de muralha, ali existente, possivelmente, para proteger também uma nascente (olho d’água) que ainda hoje existe no local.
A Casa de Pedra ou Casa do Cão, esta situada na fazenda Olho d’água dos Picos, no município de Senador Sá, distante aproximadamente 2 Km da sede do município na direção de Massapê.
Os nossos agradecimentos especiais ao meu amigo Célio Cavalcante Pesquisador da Prè-Historia, profundo conhecedor da arqueologia local, que tem nos conduzido com maestria à todos os sítios arqueológicos da Região Norte do estado do Ceará.

Informações, página Notícias de Serrota.

Postar um comentário

0 Comentários