Regional: Em Granja, cisternas ficam abandonadas enquanto o período chuvoso acaba. Veja!

Há quase três meses, grandes recipientes de plástico são elemento estranho na paisagem de Granja, na Região Norte do Estado. Aos milhares, as estruturas se acumulam pela cidade – sobre praças, terrenos baldios e até canteiros de obras. Pode soar estranho em meio aos quatro anos de seca no Ceará, mas trata-se de mais de 2,2 mil cisternas de polietileno, prontas para instalação desde fevereiro e até hoje “encostadas” pela Prefeitura.

Com a finalidade de captar água das chuvas para uso da população mais pobre, os equipamentos estão sem uso desde que chegaram ao Município. Com isso, já deixaram de acumular quase toda a quadra chuvosa de 2015 - período entre fevereiro e maio que concentra o maior índice de chuvas do ano.

Os equipamentos fazem parte de parceria entre a Prefeitura de Granja e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) para a construção de 3.500 cisternas no Município. A reportagem tentou entrar em contato com o Dnocs para saber o valor total investido no projeto, mas não obteve resposta.

Segundo o Ministério da Integração Nacional, cada cisterna desse tipo custa - somando despesas de fabricação e instalação - R$ 5 mil, totalizando valor de R$ 17,5 milhões no caso de Granja.

Cadastramento

Segundo Francisco Gonzaga Souza, titular da Defesa Civil de Granja, pelo menos 2.223 cisternas estão no Município desde a terceira semana de fevereiro. Segundo ele, os equipamentos ainda não foram instalados pois estão em fase de cadastramento e georeferenciamento.

Francisco afirma, no entanto, que as primeiras unidades devem ser entregues a partir desta semana. Questionado sobre como será o abastecimento, diante do prognóstico negativo a partir de maio, ele diz que a captação ocorrerá por meio de carros-pipa.

A opção é contestada por especialistas, que classificam a água dos caminhões como “inadequada” e destinada apenas para emergências. “O ideal é que essa água, usada para beber e cozinhar, venha das chuvas. A água dos caminhões-pipa é de qualidade ruim, reservada para crises”, diz o presidente do Esplar e membro do Fórum Cearense pela Vida no Semiárido (FCVSA), Marcus Oliveira.

Na página oficial do Ministério da Integração Nacional, também é destacado que esse tipo de cisterna é destinada a “captar águas

População

Em passagem por Granja, equipe do O POVO flagrou pelo menos seis pontos onde dezenas de cisternas estavam paradas. Entre os moradores, a situação chama a atenção. “Já está desse jeito faz tempo. Ninguém sabe quando vão tirar”, diz José de Oliveira, morador da sede de Granja.

Ele diz que tem enfrentado dificuldades com água - “como todo mundo” -, mas lamenta a situação sobretudo para distritos mais afastados. “É lá que a coisa deve estar bem difícil”, diz..

SAIBA MAIS

Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Granja tem hoje Índice de Desenvolvimento de 0,559. É o segundo menor IDH do Estado do Ceará, na frente apenas do Município de Salitre.

Procurada pelo O POVO, a assessoria de imprensa da Controladoria Geral da União (CGU) em Brasília afirma que o órgão realiza inspeções para o uso adequado de recursos para programas de cisternas. Ela destaca, no entanto, que atuação da CGU nesses casos é mais “secundária”, sendo a fiscalização dever do órgão que firma a parceria. No caso das cisternas de Granja, o Dnocs.

A reportagem procurou o Dnocs para uma série de questionamentos. O órgão, no entanto, informou que apenas responderia as perguntas na próxima segunda-feira.

2,2 mil é o número de cisternas sem uso no Município de Granja

16 mil litros é a capacidade de armazenamento d’água de cada

R$ 5 mil é o custo de cada cisterna, envolvendo sua fabricação e instalação

F: O POVO

Nenhum comentário:

Atenção!
Ao comentar, escolha as palavras corretas para que seu comentário atinja seu objetivo, expor sua opinião sobre determinado assunto.
Os comentários passaram por moderação da redação e serão publicados, independente do seu conteúdo, caso o comentarista tenha uma identificação válida!
Obrigado por comentar!

Tecnologia do Blogger.