Header Ads

Nacional: Mesmo com chuvas a crise em São Paulo continua gravissima!!

As fortes chuvas que atingiram o Estado de São Paulo em fevereiro fizeram com que muitos paulistanos respirassem aliviados após um início de ano sob a ameaça de um severo racionamento de água. Em 15 dias choveu o equivalente à média histórica para o mês inteiro, e o nível do Cantareira, o maior sistema de reservatórios que abastece a Grande São Paulo, voltou a subir. Mas para especialistas, a situação ainda é “gravíssima”.De acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o Cantareira está com 9,5% de sua capacidade. “Para que possamos atravessar o ano de forma relativamente tranquila teríamos que chegar a cerca de 30% da capacidade [do Cantareira], e temos apenas mais um mês e meio de chuvas para a época de estiagem. Isso levando em conta o consumo de água no reservatório em 2014”, afirma Samuel Barrêto, gerente do departamento de água da ONG The Nature Consevancy (TNC). Neste mesmo período do ano passado, o Cantareira ainda tinha 20% de sua capacidade, além dos chamados dois volumes mortos, ou reservas técnicas, a serem utilizados. São chamadas de volume morto as reservas de água situadas abaixo das comportas das represas do  Cantareira. Até essa crise, essa água nunca havia sido utilizada para atender a população.
    “As chuvas de fevereiro já superaram a média histórica para o período, mas a crise não passou. Mesmo com as chuvas a situação ainda é grave. Teremos que fazer um esforço muito grande para enfrentar a situação, e não é hora de afrouxar o cinto. É preciso cobrar do Governo o plano de contingência, especialmente para hospitais e escolas”, diz Barrêto.Antônio Carlos Zuffo, professor do departamento de Recursos Hídricos da Unicamp, vai além. Ele Zuffo discorda da metodologia utilizada pela Sabesp que, segundo ele, “camufla” o problema: “O valor real do reservatório é -20%. A Sabesp não está levando em conta o volume morto que foi gasto. Ainda estamos recuperando a segunda parcela [do volume morto], estamos muito longe ainda do volume operacional”.Para ele, a falta de transparência na divulgação dos números prejudica a conscientização da população quanto à gravidade do problema. “O uso dessa metodologia é irresponsável. As pessoas não percebem o tamanho do buraco. Não é para ninguém ficar tranquilo, muito em breve entraremos no período seco, no final de março, e estaremos em uma situação mais complicada do que a enfrentada no ano passado, que já foi bem grave”, afirma.Segundo Zuffo, a tendência é que chova até o dia 22 deste mês. “Em seguida é provável que o nível do Cantareira continue subindo por mais uns cinco dias. Depois deste período, no final do mês e no início de março, caso não chova, o nível do reservatório voltará a cair”, explica.O especialista em Gestão Ambiental e Sustentabilidade João Alexandre Paschoalin Filho diz que “a população tende a achar que a crise esta passando por causa das oscilações positivas dos reservatórios. Mas é preciso ver que vamos entrar nessa época de estiagem, de março para frente devemos assistir ao retorno da seca. O que arrecadamos em termos de água condiz ainda com a parcela referente ao volume morto, e 9,5% é um volume muito baixo.”Outro problema enfrentado pelos reservatórios mesmo durante este mês chuvoso é o efeito 'esponja': como o solo das represas está ressecado após longo período de seca, ele ainda precisa absorver muita água até conseguir reter o líquido. Por isso a subida no nível do Cantareira não foi tão acentuada quanto o esperado.

Racionamento de fato

Oficialmente, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), diz que a Sabesp avalia diariamente se será necessário implementar um rodízio de água na cidade, que já foi cogitado no formato de cinco dias sem água e dois dias com fornecimento em sua versão mais rigorosa. Na prática, a cidade já sofre com a crise e a falta de água. Em janeiro, a companhia reconheceu pela primeira vez que diminui a pressão das torneiras de todos os bairros da capital paulista e divulgou site com os horários da restrição. A redução da pressão diminui o consumo de água e das perdas por vazamento, e, como efeito colateral, deixa as torneiras secas especialmente nas áreas mais altas da cidade.Segundo Marzeni Pereira, sindicalista e tecnólogo em saneamento da Sabesp, o governo mente ao falar em redução de pressão, porque não há esse mecanismo disponível em toda a rede. O que se faz, disse Marzeni ao EL PAÍS em 7 de fevereiro, é fechar os registros. "Não é toda a tubulação da capital de São Paulo que está controlada por válvulas redutoras de pressão (VRP). O que eles [a Sabesp] estão fazendo é fechar o registro. Eles já estão fazendo rodízio, mesmo, pois não há água", disse ele.Na última sexta-feira, o secretário de Recursos Hídricos de São Paulo, Benedito Braga, admitiu que a Sabesp está fechando os registros em parte da cidade, ou seja, cortando o fornecimento. "O sistema de redução de pressão não está disponível em todos os locais", disse ele, segundo o jornal Estado de S. Paulo, que flagrou técnicos da Sabesp fechando registros para interromper a distribuição de água.

Nenhum comentário

Atenção!
Ao comentar, escolha as palavras corretas para que seu comentário atinja seu objetivo, expor sua opinião sobre determinado assunto.
Os comentários passaram por moderação da redação e serão publicados, independente do seu conteúdo, caso o comentarista tenha uma identificação válida!
Obrigado por comentar!

Tecnologia do Blogger.